Lavar louça é terapêutico

Por Jurandir Craveiro (*)

Como é que ninguém pensou nisso antes? Baseada nisso, a Grey Argentina fez uma campanha brilhante para a marca de detergente Magistral da Procter & Gamble.

É daqueles insights que todo mundo acha óbvio depois que alguém o teve. Claro, a melhor atenuante que existe para quando você tem que enfrentar uma pilha de louças na pia é ter alguém para conversar. Nem que sejam seus botões.

Para um detergente de alto desempenho que rende quatro vezes mais do que os comuns, a ideia é magistral, com perdão do trocadilho óbvio. Ela toma vida nas duas histórias que são contadas e se entende à assinatura: “10.000 sessões em uma só garrafa”.

Ou seja, conversar consigo próprio não é necessariamente sintoma de esquizofrenia. Pelo contrário, desde que não seja em voz alta com algum alterego imaginário, pode ser uma reflexão saudável e levar a boas decisões. Como no caso dos dois comerciais dessa campanha.

No comercial de cima o moço descobre o que deve fazer para afastar o chefe cheio de toques, dedos e mãos, sem perder o emprego. E no comercial de baixo, a moça descobre que pode abominar a sogra tatuada no peito do marido, sem perder o dito cujo.

Lavar louça é bom para pensar na vida. E ainda por cima economiza no psicoterapeuta.

A ideia tem uma inserção admirável na cultura local. A Argentina é simplesmente o país com o maior número de psicólogos per capita do mundo. De Buenos Aires se diz que respira um “ar psicanalítico”. Em 2008, a capital federal tinha 789 psicólogos para cada 100.000 habitantes, enquanto a Dinamarca, em segundo lugar no mundo, tinha 85.

Assim como no futebol e na psicanálise, los hermanos são craques nas artes do cinema e da publicidade.


jura

(*) Jurandir Craveiro é vice-presidente do Grupo de
Planejamento (GP) e autor do Blog do Jura.